OS CAMINHOS DA SOJA NO BRASIL: RIO GRANDE DO SUL

Grão de soja

Na última postagem eu fiz uma apresentação geral da cultura da soja no Brasil, grão que se tornou uma das grandes commodities do nosso agronegócio e responsável por boa parte do superávit comercial do país. O “grão dourado” também é responsável por grande parte da devastação florestal que se assistiu no Cerrado brasileiro a partir da década de 1970 e, nos últimos anos, a cultura passou a se expandir rumo ao Norte, se instalando em terras da região Amazônica.  

Esse avanço da agricultura e também da pecuária, muito mais do que uma fonte de receitas para a economia do país, faz soar um sinal de alerta – até que ponto é um bom negócio devastar a maior floresta equatorial do mundo em função da produção de soja e carnes? 

Vamos começar entendo quais foram os caminhos que o grão de origem asiática percorreu ao longo de mais de um século antes de chegar aos limites da Floresta Amazônica. E foi um longo caminho. 

Durante muito tempo, a soja foi considerada uma espécie de “curiosidade” agrícola. As primeiras sementes do grão foram trazidas dos Estados Unidos e chegaram à Escola de Agronomia da Bahia em 1882. Vários agricultores receberam as sementes com instruções para o plantio, que acabou não sendo muito bem-sucedido por causa do clima quente da Bahia – a planta preferia um clima Temperado como o do Meio-Oeste americano. Os agricultores também não conseguiam entender exatamente para que ela servia – o grão, apesar de lembrar um pouco ao feijão, não tinha o mesmo sabor ou textura quando cozido e temperado. 

Há notícias de estudos com a soja em 1891 no Instituto Agronômico de Campinas no interior do Estado de São Paulo, que segundo consta, distribuiu sementes da planta para diversos produtores. De acordo com informações da EMBRAPA – Empresa Brasileira de Pesquisas Agropecuárias, foram realizados plantios experimentais da planta a partir de 1901 no Estado do Rio Grande do Sul, onde se buscava melhores resultados graças ao clima Subtropical, mais próximo do clima Temperado dos Estados Unidos. No Estado de São Paulo, após a chegada dos primeiros imigrantes japoneses, o grão passou a ser encontrado no comércio com um pouco mais de facilidade. Fora esses casos isolados, não há notícias do cultivo da soja em maior escala até 1914, quando produtores do Noroeste do Rio Grande do Sul passaram efetivamente a plantar soja com vista à produção de ração para porcos. 

Uma das histórias interessantes sobre o começo da cultura da soja no Brasil e que demonstra o quando a sua produção era considerada “marginal” pelos agricultores pode ser vista na história de Albert Lehenbauer, um missionário luterano americano, que foi o responsável pela popularização do grão entre os seus paroquianos. Segundo os relatos preservados, o pastor Lehenbauer ficou extremamente chocado com o grau de pobreza de algumas vilas rurais da região de Santa Rosa, cidade gaúcha para a qual ele foi enviado como missionário. Em 1923, voltando de uma viagem de férias aos Estados Unidos, o pastor trouxe algumas garrafas com grãos de soja. Esses grãos foram distribuídos em pequenas latas e punhados entre os membros de sua congregação. O pastor Lehenbauer orientou pessoalmente cada agricultor sobre o plantio da soja, ensinando a cada um sobre o grande potencial energético do grão para a engorda dos animais, especialmente os porcos. Essas comunidades rurais podem ser consideradas as primeiras do Brasil a viverem do plantio da soja. 

O cultivo da soja só passou a ganhar destaque a partir da década de 1940, quando as indústrias perceberam o potencial do grão para a produção de óleos e gorduras vegetais. Com o avanço da urbanização, que passou a se acentuar a partir dessa data, as famílias passaram a mudar alguns de seus hábitos alimentares – o tradicional uso da banha de origem animal para a preparação de alimentos passaria a ser substituído pelo uso de óleos e gorduras de origem vegetal. Além desse uso, a soja passou a encontrar seu espaço como uma nova fonte de proteína para consumo humano, especialmente na forma de farinhas para o enriquecimento de alimentos, e também se consolidou como insumo básico para a fabricação de rações para alimentação animal. E foi assim, lentamente, que o grão de origem asiático passou a fazer parte das paisagens gaúchas, disputando seu espaço com o trigo e o arroz, e também com a pecuária, essas as mais tradicionais atividades dos Campos Sulinos ou Pampas. 

Continuamos na próxima postagem. 

4 Comments

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s