O VAZAMENTO DA BARRAGEM EM CATAGUASES: LEMBRA?

cataguases

Há pouco mais de um ano, uma barragem de rejeitos de mineração rompeu em Mariana, Estado de Minas Gerais – 62 milhões de m³ de rejeitos vazaram, destruindo o distrito de Bento Rodrigues, onde morreram 19 moradores e poluindo a maior parte da extensão do Rio Doce, desde o Estado de Minas Gerais até a sua foz no Espírito Santo. Essa notícia deve estar bem fresca em sua mente.

Agora eu pergunto: algum de vocês se lembra do rompimento de uma barragem de rejeitos da produção de celulose em Cataguases, também no Estado de Minas Gerais, em 2003?

Para quem não lembra (provavelmente todo mundo), a barragem de uma indústria de celulose rompeu e vazaram cerca de 1,4 bilhões de litros de lixívia ou licor negro, um rejeito tóxico do processo de produção da celulose (algumas fontes consultadas falam de um vazamento na ordem de 1 bilhão de litros).  O vazamento atingiu primeiro o córrego do Cágado, atingindo na sequência os rios Pomba e Paraíba do Sul, provocando fortes danos ao meio ambiente e causando muitos prejuízos para as populações ribeirinhas de cidades nos Estados de Minas Gerais e Rio de Janeiro. A contaminação química da água foi tão grande que as autoridades ambientais proibiram a captação das águas do Rio Paraíba do Sul para abastecimento, deixando 600 mil pessoas sem água nas suas torneiras.

O caso teve repercussão imediata: a imprensa dizia se tratar do maior acidente ambiental já ocorrido no Brasil até aquele momento. As equipes de reportagem mostravam imagens de famílias com as torneiras secas nas casas, pescadores de braços cruzados observando os peixes mortos nas águas dos rios e, especialmente, autoridades ambientais dos diversos níveis batendo cabeça, sem saber exatamente o que fazer. Uma das poucas providências que foram tomadas foi a aplicação de uma multa pelo IBAMA – Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis, no valor de R$ 50 milhões contra a empresa responsável pela operação da barragem de rejeitos. O processo jurídico foi tão confuso que, passados treze anos, ainda não houve uma conclusão definitiva e a empresa responsável pelo acidente luta na justiça para reaver o valor da multa.

Enquanto as autoridades discutiam o que fazer e as populações afetadas pelo vazamento continuavam atônitas, a natureza silenciosamente fez a sua parte: diferente do acidente no Rio Doce, a correnteza do rio Paraíba do Sul diluiu gradativamente o licor negro, empurrando vagarosamente as águas poluídas e as carcaças dos peixes mortos para longe; com a melhoria da qualidade das águas, as sucessivas cidades foram restabelecendo os sistemas de captação, tratamento e distribuição de água potável.  

A empresa conteve o vazamento e recuperou a barragem em três dias; a unidade de produção foi fechada e os rejeitos industriais que restaram nos reservatórios foram tratados e gradativamente lançados nas águas dos rios, sem chamar muita atenção – o solo do fundo dos reservatórios recebeu um tratamento com gesso, argila e adubos, recebendo a seguir o plantio de vegetação. A memória curta de nosso povo fez a sua parte e o acidente foi sendo esquecido: os mais jovens da cidade de Cataguases mal sabem descrever o que aconteceu naquele dia do ano de 2003.

O Brasil é líder mundial na produção de celulose de fibra curta de eucalipto, produzindo atualmente 15 milhões de toneladas – as projeções indicam que o país se tornará o segundo maior produtor mundial de celulose no ano de 2020, com cerca de 20 milhões de toneladas. A exportação de celulose, papel e chapas de fibra de madeira responde por 4% da pauta de exportações brasileiras, gerando milhares de empregos e quase US$ 8 bilhões em receitas para o país (2015). Apesar desses números vistosos, existem dezenas de barragens de rejeitos químicos semelhantes àquela da cidade de Cataguases, que merecem atenção e monitoramento constante da sociedade.

Gerar receitas e empregos para o país é fundamental; os diversos tipos de papéis e produtos da indústria madeireira produzidos são importantes no nosso dia a dia, porém não é possível admitir que essa produção continue a colocar a qualidade das águas dos nossos rios em risco.

 

veja também:

O ROMPIMENTO DA BARRAGEM EM BRUMADINHO, OU SERIA UMA CRÔNICA DE UMA TRAGÉDIA ANUNCIADA?

O ACIDENTE EM MARIANA E A TRAGÉDIA DO RIO DOCE, OU A CRIAÇÃO DO 10° RIO MAIS POLUÍDO DO BRASIL

O VAZAMENTO DE REJEITOS DE MINERAÇÃO EM BARCARENA, OU A CASA DA MÃE JOANA

Anúncios

10 Comments

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s