OS JACARÉS, A DEGRADAÇÃO DAS ÁGUAS E A BUSCA POR LUCRO FÁCIL

Jacaré

Na série de postagens que estamos publicando, temos mostrado o impacto dos diversos tipos de agressões ambientais nas comunidades de animais aquáticos e semiaquáticos. Essas agressões incluem a poluição das águas por efluentes líquidos e resíduos sólidos, a urbanização, a agricultura e os resíduos de fertilizantes e agrotóxicos, a construção de barragens dos mais diferentes tipos, entre outras. Esses impactos alteram dramaticamente os habitats, podendo levar espécies à extinção. 

Entretanto, as agressões ambientais não são as únicas responsáveis pela destruição de habitats e comunidades de animais aquáticos e semiaquáticos: fatores exclusivamente econômicos também podem ser fatais para muitas espécies. A caça de animais silvestres para aproveitamento do couro e peles já se mostrou quase mortal para inúmeras espécies. Um grande exemplo desse impacto pode ser verificado na sina de várias espécies de jacarés. Acompanhem: 

Existem atualmente 23 espécies de crocodilianos em todo o mundo e 6 dessas espécies são encontradas aqui no Brasil: jacaretinga (Caiman crocodilus), jacaré-do-papo-amarelo (Caiman latirostris), Jacaré-do-pantanal (Caiman yacare), jacaré-açu (Melanosuchus niger), jacaré-anão (Palesuchus palpebrosus) e jacaré-corôa (Paleosuchus trigonatus). Em postagens anteriores, nós falamos de três dessas espécies e dos seus respectivos problemas: jacaré-do-papo-amarelo, jacaré-do-pantanaljacaré-açú

O jacaré-do-papo-amarelo é a espécie brasileira mais impactada pela perda de habitas e degradação das águas. Os antigos domínios desses animais se sobrepõem às áreas mais populosas do país, especialmente na região dos domínios da Mata Atlântica e bacia hidrográfica do rio Paraná. Alguns dos grandes impactos que a espécie vem sofrendo foram mostrados em uma postagem onde contamos a história do Teimoso, um jacaré-do-papo-amarelo que foi encontrado nadando nas águas poluídas do rio Tietê no início da década de 1990; em outra postagem, falamos da situação caótica dos jacarés que vivem no Sistema Lagunar de Jacarepaguá, na Zona Oeste da cidade do Rio de Janeiro. 

A bacia hidrográfica do rio Tietê é a principal rede de drenagem de águas da Região Metropolitana de São Paulo. Em tempos passados, os rios, riachos e córregos dominavam as paisagens do Planalto de Piratininga e toda a região apresentava uma exuberante vida animal e vegetal. Ponto de encontro dos biomas Cerrado, Mata Atlântica e Mata das Araucárias, as águas do Planalto apresentavam grandes populações de jacarés. Com o crescimento desordenado das cidades, canalização de córregos e riachos e extrema poluição das águas, esses animais simplesmente desapareceram. O avistamento do jacaré Teimoso nas águas do Tietê, simplesmente o rio mais poluído do Brasil, funcionou como um grito de alerta sobre a degradação ambiental das águas e desencadeou uma série de movimentos populares que pediam mudanças na política ambiental do Estado de São Paulo. 

A situação dos répteis das lagoas da cidade do Rio de Janeiro é praticamente a mesma – a intensa especulação imobiliária na região da Barra da Tijuca e o crescimento desordenado da cidade ilharam grandes populações de jacarés-do-papo-amarelo em espaços cada vez menores. Os impactos ambientais foram agravados pelos problemas de infraestrutura típicos das cidades brasileiras – o esgoto lançado nas águas sem qualquer tratamento transformou a vida dos animais num verdadeiro calvário, reduzindo a oferta de alimentos e criando dúvidas sobre o futuro da espécie na região.  A trágica situação dos animais ganhou recentemente as manchetes do país após uma forte ressaca atingir a orla do Rio de Janeiro – dezenas de jacarés foram arrastados na direção das praias do Recreio dos Bandeirantes. 

No caso dos jacarés-do-pantanal, a situação atual é completamente adversa – esse é o bioma menos degradado e em melhor situação ambiental do Brasil. A população atual de jacarés é calculada na casa de 10 milhões de animais, que contam com fartura de alimentos e águas de ótima qualidade. Porém, entre as décadas de 1970 e 1980, esses animais foram caçados intensamente por coureiros brasileiros, bolivianos e paraguaios – o mercado internacional de couros de crocodilianos estava aquecido, com uma alta demanda do produto pela indústria da moda. Jacarés e crocodilos foram caçados impiedosamente em várias partes do mundo – somente no Pantanal Mato-grossense, calcula-se que 5 milhões de animais foram abatidos ilegalmente (a caça de animais silvestres é proibida no Brasil desde 1967)

O Pantanal Mato-grossense fica localizado numa região isolada do país, ocupando áreas do Sudoeste do Estado de Mato Grosso e Leste do Mato Grosso do Sul. O bioma também ocupa áreas da Bolívia e do Paraguai, uma característica que sempre facilitou a entrada de caçadores vindos desses países vizinhos, assim como o contrabando dos couros. Curtumes instalados nesses países compravam os couros de qualquer vendedor que aparecesse com o produto nas mãos e sem fazer qualquer pergunta. Essa facilidade “logística” para o escoamento dos couros, a grande abundância de animais numa região relativamente pequena, falta de policiamento ambiental e fiscalização das fronteiras, quase foram fatais para a espécie. Felizmente, o couro de jacarés e crocodilos saiu da moda, o que reduziu imensamente a demanda e praticamente acabou com a caça ilegal. 

Um outro caso onde as razões econômicas estavam por trás da intensa caça de animais para a venda dos couros é o dos jacarés-açú da Amazônia. Maior representante da família dos jacarés do mundo, o açú, palavra de origem indígena que quer dizer “grande”, pode passar de 6 metros de comprimento e mais de 300 kg de peso. Uma peça de couro vinda de um animal desse tamanho era uma espécie de “sonho de consumo” para as indústrias da moda, permitindo a confecção de grandes peças de vestuário como casacos longos e vestidos sem a necessidade de costurar peças pequenas de couro. Essa era uma das razões para o couro escuro dos jacarés-açú ser tão valorizado no mercado internacional. 

De acordo com um detalhado estudo publicado por cientistas brasileiros na renomada revista Science Advances em 2016, entre 1904 e 1969, foram abatidos mais de 4,4 milhões de jacarés-açú em toda a Amazônia brasileira para aproveitamento do couro. Esses números dizem respeito ao volume total de couros exportados legalmente nesse período e lembrando que até 1967 a caça de animais silvestres era legalizada. Se considerarmos as exportações ilegais e o total de animais batidos após a proibição da caça, o número de jacarés-açú abatidos foi muito maior. 

Observem que a exemplo da Região do Pantanal Mato-grossense, a região Amazônica estava praticamente intacta até a década de 1960, época em que a caça de animais silvestres foi proibida. Mesmo nos dias atuais, quando a tão falada destruição da Floresta Amazônica preocupa muita gente no mundo, mais de 80% da área florestal original ainda está de pé. Mesmo com essas condições ambientais praticamente perfeitas, os jacarés-açú desapareceram dos principais rios da Bacia Amazônica e hoje estão restritos a áreas protegidas de parques nacionais e Terras Indígenas. Isso mostra que não é apenas a degradação dos habitats e a poluição das águas que dizimam as espécies aquáticas e semiaquáticas de animais pelo mundo afora – a busca pelo dinheiro fácil também. 

Esses rápidos exemplos mostrando a história dessas três espécies de jacarés aqui do Brasil ajudam a reforçar o importante e moderno conceito da Sustentabilidade – é preciso que encontremos um ponto de equilíbrio entre o Meio Ambiente, a Economia e as nossas Sociedades Humanas. Sem entendermos tudo isso, não teremos futuro garantido nesse nosso Planeta Azul. 

Anúncios

One Comment

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s