GOVERNO DE GOIÁS DECRETA EMERGÊNCIA AMBIENTAL DE FORMA PREVENTIVA 

Uma postagem curta: 

O Governo de Goiás decretou situação de emergência ambiental em todo o Estado por 120 dias. Essa é uma medida preventiva e o decreto, de número 10.126, foi publicado no último dia 3 de agosto. O objetivo da decisão é preparar todos os órgãos que compõem o CEGIF – Comitê Estadual de Gestão de Incêndios Florestais, para a temporada das queimadas. 

O CEGIF é formado pela SEMAD – Secretaria de Estado de Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável, CBMGO – Corpo de Bombeiros Militar do Estado de Goiás, Polícia Militar, Polícia Civil, Polícia Técnico-Científica, Agência Goiana de Assistência Técnica, EMATER – Extensão Rural e Pesquisa Agropecuária, GOINFRA – Agência Goiana de Infraestrutura e Transportes, AGRODEFESA -Agência Goiana de Defesa Agropecuária, além das secretarias de Estado da Saúde, Educação e Comunicação. 

Uma das principais características do Cerrado é o seu clima, que é formado por apenas duas estações bem definidas – o período das chuvas, que vai de outubro a abril, e o período da seca, que vai de maio a setembro, que período que hoje está o seu auge. 

Todos os anos, conforme já comentamos em diversas postagens aqui do blog, o Cerrado é tomado por grandes incêndios florestais e esse decreto de emergência ambiental é uma excelente medida preventiva. Aliás, os incêndios anuais no bioma vêm ocorrendo há, pelo menos, 25 milhões de anos. Foi justamente a frequência dessas queimadas que forçou as espécies vegetais e animais do bioma a evoluírem. Essa adaptação foi tão grande que a maioria das sementes de árvores do Cerrado dependem do fogo para germinar.   

O Cerrado, bioma predominante no Estado de Goiás, ocupa uma área de mais de 2 milhões de km2, sendo o segundo maior bioma do Brasil. Além de Goiás, o Cerrado se estende por Tocantins, Mato Grosso, Mato Grosso do Sul, Minas Gerais, Bahia, Maranhão, Piauí, Rondônia, Paraná, São Paulo e Distrito Federal, além dos encraves florestais (ou manchas de Cerrado) no Amapá, Roraima, Amazonas, e também pequenos trechos na Bolívia e no Paraguai. 

A vegetação do Cerrado pode ser dividida em três grupos principais (outros autores dividem o bioma de forma diferente):   

Florestas: onde a vegetação é dividida em Mata Ciliar, Mata de Galeria, Mata Seca e Cerradão (que é uma savana florestada);   

Savanas: onde se encontra a formação Cerrado, os Parques de Cerrado, os Palmeirais e as Veredas;  

Campos: grandes extensões cobertas por Campos Limpos, Campos Sujos e os Campos Rupestres.  

Esses diferentes sistemas florestais abrigam uma grande biodiversidade de espécies animais: já foram catalogadas mais de 1.500 espécies entre mamíferos, aves, peixes, répteis e anfíbios, além de insetos e moluscos. As espécies mais carismáticas são o lobo-guará, o tamanduá-bandeira, o tatu-bola, o cervo-do-pantanal, o cachorro-vinagre, a onça-pintada e a lontra.  

Essas formações florestais do Cerrado não apresentam nada que pareça tão excepcional assim. O bioma apresenta árvores de médio porte com no máximo 15 metros de altura (em áreas úmidas, na beira de rios, essa altura poderá chegar a 25 metros), muitos campos sujos repletos de grandes formigueiros e campos limpos, cobertos por uma vegetação alta de gramíneas. 

A grande importância do bioma Cerrado está justamente em uma parte da vegetação que você não vê: as raízes ou sistemas radiculares da vegetação. Grosso modo falando, nós podemos comparar uma árvore do Cerrado com um iceberg, aquelas grandes montanhas de gelo que flutuam nos oceanos e que, de vez em quando, causam danos nos navios – a maior parte do gelo do iceberg está embaixo d’água. 

As árvores do bioma, que normalmente se apresentam raquíticas, com troncos retorcidos e folhas pequenas, na verdade se mostram como plantas gigantescas quando se passa a observar o tamanho de suas raízes, que em muitos casos chegam a atingir dezenas de metros de profundidade. Esses grandes sistemas de raízes são fundamentais para a recarga dos grandes aquíferos da região.

Nas últimas décadas, o Cerrado se transformou numa das mais importantes frentes de avanço da agropecuária do Brasil. Segundo alguns especialistas, cerca de metade da vegetação original do bioma já foi tomada por pastagens e plantações. É fundamental preservar o que restou da vegetação original e as espécies da fauna da melhor maneira possível. 

Se as queimadas e os grandes incêndios florestais são inevitáveis, melhor que se aprenda a conviver com eles da melhor maneira possível e, quanto mais se estiver preparado para isso, melhor! 

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s