A SALINIZAÇÃO DAS ÁGUAS DO BAIXO RIO SÃO FRANCISCO

Lavadeiras do Rio São Francisco - Mariana Garcia

O consumo de sal de cozinha, conhecido tecnicamente como cloreto de sódio, é fundamental para o correto funcionamento dos organismos de pessoas e de animais. O sal é responsável pelo controle de entrada e saída de substâncias e de água do interior das células, mantendo assim o balanço de nutrientes e de água em nossos corpos. Isso é conseguido com uma ingestão de 6 a 8 gramas de sal todos os dias.

Se consumido na quantidade ideal, o sal aumenta os chamados “movimentos peristálticos” dos intestinos, melhora a digestão, auxilia no funcionamento dos rins e na produção de energia. O sal também auxilia o organismo na reposição do sódio perdido junto com o suor. O consumo excessivo de sal, ao contrário, causa uma série de problemas: o organismo passa a reter grandes quantidades de líquidos, o que provoca o aumento da pressão arterial. Também prejudica o funcionamento dos rins e causa interferências na absorção de cálcio e de nutrientes pelo organismo. Em resumo: quando o assunto é o sal, vale aquele antigo ditado – nem tanto ao mar, nem tanto à terra: tem de se achar um ponto de equilíbrio.

Muitos de vocês que leem esse texto, seja por razões de saúde seja por conta de algum regime para perder peso, deve ter recebido instruções médicas para reduzir ou moderar o consumo de diário de sal que ingere nos alimentos; quando se tem a liberdade de controlar livremente o consumo de sal, sua saúde sempre irá agradecer. Muita gente, ao contrário, até que gostaria de ter esta liberdade de escolha, mas as condições em que vivem não lhes permite qualquer outra opção – estou falando de dezenas de milhares de moradores de regiões lindeiras do baixo curso do Rio São Francisco, na divisa entre os Estados de Alagoas e de Sergipe. Vamos entender melhor isso:

No último post falamos dos problemas enfrentados pela região da foz do Rio São Francisco onde, em função da intensiva redução do volume dos caudais provocado pelo represamento das águas nas barragens das hidrelétricas – em especial Sobradinho e Xingó, as águas do mar estão avançando dezenas de quilômetros terra a dentro. Um sintoma visível dessa salinização das águas do baixo Rio São Francisco são os relatos cada vez mais frequentes, feitos por ribeirinhos e pescadores, que tratam do avistamento e captura de tubarões em trechos do Rio cada vez mais distantes da foz. A alta salinidade da água que permite a sobrevivência de tubarões, é fatal para os seres humanos. A água doce ou potável que todos nós consumimos diariamente é aquela que apresenta uma concentração máxima de sal de 0,5 gramas por litro – já a água salgada ou dos oceanos, apresenta níveis de concentração de sal superiores a 30 gramas por litro; as águas que apresentam níveis de sal intermediários, acima de 0,5 gramas/litro e abaixo de 30 gramas / litro, são chamadas de águas salobras, justamente a classificação em que se encontram as águas do Rio São Francisco em trechos próximos da foz. O consumo de água salobra pelos habitantes da região tem afetado a saúde de muita gente.

No povoado de Potengy, que pertence ao município de Piaçabuçu em Alagoas, temos um exemplo desses problemas: pesquisa realizada por agentes de saúde da comunidade constatou que houve um aumento de 36% no número de moradores hipertensos acompanhados pelas autoridades de saúde. A água captada pela empresa de abastecimento local é retirada diretamente do Rio São Francisco e os processos de tratamento utilizados não conseguem retirar o excesso de sal da água – esse mesmo problema afeta dezenas de cidades nas margens do baixo Rio São Francisco. Para conseguir água fresca, muitos moradores do povoado são obrigados a se deslocar por 7 quilômetros para retirar água de uma cacimba (espécie de poço aberto no solo). A salinidade das águas do Rio São Francisco está afetando gradativamente os aquíferos locais, que produzem água cada vez mais salobra.

Até uma das atividades femininas mais típicas das mulheres ribeirinhas da região – a lavagem de roupas nas águas do Rio, cada vez mais é uma coisa do passado: as roupas ficam mal-lavadas e o sal estraga os tecidos, dizem elas. Para os moradores locais, é cada vez mais revoltante ver águas tão importantes se tornando cada vez mais “imprestáveis” para os usos mais comuns do seu dia a dia.

No próximo post vamos falar dos problemas da salinidade das águas usadas em atividades agrícolas.

6 Comments

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s