IMPERIAL VALLEY: UMA DAS REGIÕES AGRÍCOLAS MAIS PRODUTIVAS DOS ESTADOS UNIDOS

Um outro exemplo de região desértica que foi transformada em uma grande produtora agrícola é o Imperial Valley na Califórnia – Costa Oeste dos Estados Unidos. Esse pedaço do Deserto de Sonora, que se espreme na divisa entre os Estado Unidos e o México, tem um índice de pluviosidade anual abaixo dos 76 mm e já possuía alguns trechos com terras muito férteis – só faltava a água. 

Aqui, ao contrário do uso altamente racional dos recursos hídricos que foi adotado em Israel, partiu-se para um uso “bruto” das águas do rio Colorado, que passaram a ser transpostas a partir de um canal construído no leito seco do rio Álamo em 1901. Usando e abusando dessa água, o Imperial Valley foi transformado em um grande celeiro agrícola – os custos ambientais, porém, foram altíssimos. Vamos entender essa história. 

O Deserto de Sonora entrou no “mapa” dos pioneiros americanos a partir de meados do século XIX, época em que começou a vigorar a política da “Marcha para o Oeste” do Governo Americano. Relembrando um pouco da história, a maior parte das regiões Sudoeste e Oeste dos Estados faziam parte do território do México até então.  

Entre 1846 e 1848, os dois países travaram uma guerra pela posse da região, com os americanos vencendo a disputa. Os atuais estados americanos de Utah, Nevada, Arizona, Califórnia, Texas e Novo México, além da parte oeste do Colorado, foram criados nesse território incorporado aos Estados Unidos. 

Após a vitória no embate, o Governo dos Estados Unidos buscou desenvolver políticas para estimular a colonização dessa extensa região e consolidar assim a posse dos territórios. O Deserto de Sonora era o caminho a ser atravessado pelas caravanas de pioneiros que se dirigiam para a Califórnia e, partir daí, começou a chamar a atenção pelo seu imenso potencial agrícola. 

A paisagem desoladora do deserto começou a mudar nos primeiros anos do século XX após a chegada da água transposta pelo canal do rio Álamo. Gradativamente, os agricultores que se instalaram na região, que ficou conhecida como Imperial Valley, passaram a construir toda uma rede de canais para a distribuição da água para a irrigação dos seus campos. Em 1942, o Governo americano construiu um novo canal – o All-American, aumentando ainda mais a oferta de água para o Imperial Valley

De acordo com as últimas estimativas, a região já conta com mais de 2.300 quilômetros de canais de irrigação e 1.800 quilômetros de tubulações. Esse grande sistema distribui por todo o Imperial Valley um volume de água correspondente a 83% da cota de água do Rio Colorado a que tem direito o Estado da Califórnia. Com fartura de água, terras férteis e muito sol, a região foi transformada na principal fornecedora de frutas e de vegetais de inverno dos Estados Unidos, produzindo duas colheitas a cada ano, feito raro em um país de clima temperado.  

A região também é grande produtora de alfafa, vegetal utilizado na alimentação do gado, especialmente nos meses de inverno quando as pastagens naturais ficam cobertas por grossas camadas de neve ou secam. A Califórnia, que tem uma população de mais de 40 milhões de habitantes e é o estado mais populoso dos Estados Unidos, é um dos maiores mercados para os alimentos produzidos no Imperial Valley

Durante todo o século XX e primeiros anos do século XXI, o Imperial Valley foi sinônimo de produção farta e de alto lucro no meio de um deserto. Sem praticamente nenhuma restrição ao uso dos recursos hídricos do rio Colorado, as águas transpostas corriam em abundância através dos canais e tubulações dos sistemas de irrigação e a terra respondia com grandes colheitas.  

A situação, porém, mudou radicalmente a partir do ano 2000, quando todo o Sudoeste dos Estados Unidos passou a enfrentar uma severa seca que, de acordo com especialistas, foi a maior seca na região em 1.200 anos. A Califórnia seria o Estado mais afetado por essa seca e sofreria com as mais graves consequências entre os anos de 2010 e 2014. 

A forte seca regional começou a afetar os rios formadores dos reservatórios de água de todo o sul do Estado da Califórnia, reduzindo fortemente a oferta de água pelos sistemas produtores e, consequentemente, a disponibilidade de água para abastecimento de cidades importantes como Los Angeles, San Diego e San Bernardino. A partir de 2010, quando a seca atingiu seu auge, grandes cidades do Sul da Califórnia foram obrigadas a impor uma redução compulsória de 25% no consumo de água das famílias, medida inédita na história americana. 

Sem fontes de abastecimento alternativas, estas grandes cidades voltaram sua atenção para as águas do Rio Colorado, que desde muito tempo já chegavam ao Sul da Califórnia através de sistemas de transposição e alimentavam parte dos sistemas de abastecimento e distribuição. Porém, entre o Rio Colorado e as cidades havia o Imperial Valley e seus organizados agricultores, que já estavam tendo seus próprios problemas com a redução dos volumes de água disponíveis (a seca também afetou o rio Colorado) e que não estavam dispostos a ceder nem mais um mísero litro de água para o abastecimento das cidades. 

Desde os primeiros anos da formação do Imperial Valley, os produtores agrícolas locais se valeram da irrigação por alagamento – uma comporta é instalada entre o canal de irrigação e o campo agrícola. Quando o produtor precisa irrigar sua plantação, ele simplesmente abre a comporta e deixa a água fluir “à vontade”, saturando e alagando rapidamente o solo.  

As plantas absorvem toda a água que necessitam e a maior parte do líquido vai acabar se perdendo, ou por evaporação (que é muito alta num deserto) ou por percolação para trechos mais baixos do terreno. Se existe uma técnica de irrigação irracional do ponto de vista do alto consumo de água, essa é a irrigação por alagamento. 

Uma espécie de subproduto criado pelo Imperial Valley e seu consumo abusivo de águas foi a formação do Lago Salton, um grande espelho de águas salgadas que surgiu numa depressão da região, para onde os excedentes de águas das plantações escorria (é o lago aparece no fundo da imagem que ilustra esta postagem). Falaremos mais sobre esse lago e os inúmeros problemas ambientais que ele criou numa próxima postagem. 

As grandes cidades da Califórnia acabaram vencendo a queda de braços e os produtores rurais do Imperial Valley foram obrigados a ceder uma boa parte de sua quota de água para o abastecimento dessas populações. Com a adoção de sistemas de irrigação por aspersão, mais racionais e econômicos quando comparadas ao sistema de alagamento, os produtores do Imperial Valley conseguiram manter sua produção gastando muito menos água. 

Apesar da partilha da água entre as cidades e os produtores rurais ter sido resolvida sem maiores problemas, a redução dos volumes de água usados no Imperial Valley criou uma série de problemas ambientais e de saúde pública para os moradores das cidades da região – falaremos disso na próxima postagem. 

One Comment

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s