DEPOIS DE MAIS DE 40 ANOS, BALEIAS-AZUIS VOLTAM A FREQUENTAR O LITORAL NORTE DA ESPANHA

O preocupante aumento do número de encalhes de baleias-jubarte em praias brasileiras foi tema da nossa última postagem. Uma das hipóteses para esse aumento de ocorrências do tipo é uma redução nos estoques de alimentos em águas do Oceano Antártico – especialmente do krill. Parte considerável dos animais encontrados mortos são espécimes jovens e com peso muito abaixo do que seria esperado para esse período de migração das baleias. 

Continuando ainda na linha do “Mundo Animal” (os leitores mais velhos devem se lembrar desse ótimo programa de TV), vamos falar de outro tema ligado as baleias – animais da espécie azul, a maior entre as espécies e também o maior animal vivo de nossos tempos, estão voltando a frequentar as águas dos mares da Costa Atlântica ao Norte da Espanha. Antes da decretação da moratória de caça as baleias, um acordo costurado pela Comissão Baleeira Internacional em 1986, as baleias-azuis foram caçadas quase que a extinção nessa região. 

Apesar de aparentar ser uma boa notícia ou um sinal que as populações da espécie voltaram a se recuperar a exemplo do que aconteceu com as baleias-jubarte, essa súbita migração de volta a uma região onde a caça praticamente aniquilou a espécie pode ser um sinal de problemas ambientais nas águas do Oceano Ártico. 

Segundo alguns pesquisadores, as mudanças climáticas que estão se desenrolando no Ártico podem estar comprometendo os estoques de alimentos desses animais. As baleias-azuis se alimentam quase que exclusivamente de pequenos crustáceos marinhos conhecidos como krill, podendo se alimentar também de pequenos peixes e lulas. Assim como ocorre com suas “primas distantes” da espécie jubarte, essas baleias possuem lâminas córneas no céu da boca que filtram a água para capturar seus alimentos. 

As baleias-azuis (Balaenoptera musculus) podem atingir um comprimento de até 30 metros e um peso de até 180 toneladas. Antes da caca intensa, principalmente a partir de fins do século XVIII, a espécie era abundante nos mares. Somente nas águas ao redor da Antártida suas populações eram estimadas em 240 mil indivíduos. Em um estudo publicado em 2002, as estimativas falavam de uma população entre 5 mil e 12 mil indivíduos. 

Evidencias históricas parecem indicar que a caça às baleias começou há cerca de 5 mil anos atrás – pinturas rupestres desse período, encontradas em paredes de cavernas, mostram seres humanos caçando esses animais. É provável que se tratassem de espécies de pequeno porte como a baleia-de-minke (Balaenoptera acutorostrata) ou animais da família dos golfinhos como as orcas (Orcinus orca) e as baleias-piloto (diversas espécies do gênero Globicephala). Esses animais provavelmente nadavam muito próximos da costa ou foram abatidos após encalhe nas praias. 

As primeiras evidencias documentais sugerem que foram os bascos, povo que tem seu território distribuído entre o Nordeste da Espanha e o Sudoeste da Franca, os primeiros a desenvolver técnicas específicas para a caca das baleias. Essa pesca era feita na região do Mar Cantábrico. Entre os séculos XI e XII, a pesca da baleia foi introduzida na Galícia, região do Nordeste da Espanha que, ao longo de mais de setecentos anos, foi considerada “um país de baleeiros”.  

Inicialmente, o alvo da caça desses baleeiros espanhóis eram as espécies menores como as já citadas baleias-piloto, as baleias-brancas, os narvais e as toninhas. Eram usados pequenos barcos para navegar até longe da costa. Quando os baleeiros avistam grupos desses animais, eles faziam um forte barulho de modo a forçar as baleias a nadar em direção das praias, onde grupos as aguardavam munidos de lanças. Com o passar do tempo foi aprimorado o uso dos arpões, o que permitiu a caca de baleias maiores como as da espécie franca. 

A caça das grandes baleias como as da espécie azul só se tornou possível a partir da década de 1860, quando o norueguês Svend Foyn inventou o canhão-arpão com ponta explosiva. O pico da caca às baleias-azuis se deu em 1931, quando, segundo os registros, foram capturados 29 mil animais em todo o mundo. O primeiro grande esforço para tentar salvar a espécie da extinção se deu em 1966, ano em que a Comissão Baleeira Internacional proibiu a caça das baleias-azuis. 

Durante muitos séculos, as baleias foram caçadas principalmente para a produção do óleo usado na iluminação de casas e de ruas. Um dos maiores clássicos da literatura mundial, Moby Dick de Hermann Melville, publicado em 1851, conta em detalhes a rotina em um barco baleeiro. O autor, que durante vários anos na década de 1840 trabalhou em um desses navios, descreveu muito de suas experiências pessoais. A trama foi inspirada na história real do navio baleeiro norte-americano Essex, naufragado após o ataque de uma baleia em 1822. 

O processamento e a comercialização da carne de baleia ganharam força a partir de meados do século XIX, quando foram criados os navios-fábrica, embarcações com capacidade para enlatar grandes quantidades do produto em poucas horas. Também entram na lista de produtos feitos com “matérias primas” retiradas de baleias o toucinho (feito com a gordura do animal), as barbatanas (usadas pela indústria da moda – principalmente em espartilhos), o espermacete (usado na produção de cosméticos, velas especiais e óleos lubrificantes), o âmbar (aromatizante), além de tendões, pele e ossos. 

Essa “aparente” fonte inesgotável de matérias-primas levou inúmeras espécies de baleias a uma situação muito próxima da extinção, especialmente ao longo das primeiras décadas do século XX. Com forte tradição na caça as baleias, as regiões da costa Atlântica do Norte da Espanha deram a sua contribuição para o forte declínio das populações de várias espécies, principalmente a baleia-azul. 

Entre as atuais preocupações dos pesquisadores está o fato de não terem sido observadas alterações nas quantidades de plâncton nas águas da costa espanhola. Plâncton são microrganismos animais e vegetais que vivem em suspensão nas águas dos mares e oceanos e que formam toda a base da cadeia alimentar das espécies maiores. Sem esse aumento nos estoques de plâncton e do consequente aumento nas populações de outros animais maiores, não é possível afirmar que as baleias-azuis voltaram a frequentar essas águas por causa da busca de alimentos. 

Alguns pesquisadores até sugerem a possibilidade desse retorno das baleias-azuis estar ligado a uma memória-ancestral instintiva. Assim como acontece com outros animais, a exemplo dos salmões, as baleias-azuis são impulsionadas pela memória e podem assim estar voltando para as mesmas águas onde seus ancestrais viveram. 

Enquanto os estudos sobre esses eventos não forem concluídos e indicarem as exatas razões da volta das baleias-azuis aos mares da Espanha, é importante ver com cautela essa situação. Como diziam os antigos, “cautela e caldo de galinha não fazem mal a ninguém” … 

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s