A BUSCA POR FONTES ALTERNATIVAS PARA O ABASTECIMENTO DE ÁGUA EM GOVERNADOR VALADARES

Rio Suaçuí Grande

Na nossa última postagem, comentamos sobre os problemas criados para as cidades atravessadas pelo rio Doce, que tinham neste manancial a sua única fonte para a captação de água para o abastecimento das populações e que, após o rompimento da barragem de rejeitos de mineração em Mariana, passaram a conviver com águas contaminadas por lama e metais pesados. Também comentamos que o rio Doce, a exemplo da maioria dos rios brasileiros, já apresentava claros sinais de estresse e degradação de suas águas, como resultado de todo um conjunto de agressões ambientais em toda a área de sua bacia hidrográfica: desmatamentos, atividades de mineração e geração de rejeitos, despejos de esgotos domésticos e industriais sem tratamento, contaminação por resíduos de agrotóxicos e de fertilizantes, entre outras. Também, muito antes da ocorrência deste acidente, as cidades já enfrentavam problemas para a captação de água em suas Estações de Tratamento no período da seca, quando o nível de água no rio ficava bastante reduzido – o despejo de milhões de metros cúbicos de lama e metais pesados simplesmente transformou uma situação que já era complicada em uma realidade simplesmente insustentável: as cidades precisaram resolver, emergencialmente, os problemas de captação, tratamento e fornecimento de água e, ao mesmo tempo, buscar fontes alternativas para o abastecimento de suas populações.

Em Governador Valadares, a maior cidade da região do Vale do Rio Doce e altamente dependente das águas do rio para o seu abastecimento, passou-se a utilizar o polímero da acácia-negra, conforme comentamos na postagem anterior, um produto de origem natural que potencializa a capacidade de tratamento da água nas ETA’s – Estação de Tratamento de Água. Normalmente, este processo utiliza produtos químicos como o sulfato de alumínio ou o cloreto férrico e a cal, um produto que potencializa o tratamento e que mantém o pH da água no nível adequado. Estes produtos são adicionados na água e realizam a aglutinação dos resíduos em suspensão (especialmente a argila), formando flocos com um tamanho que torna possível a sua filtragem na etapa seguinte. Como as águas do rio Doce passaram a apresentar níveis de contaminação muito superiores à capacidade projetada para as Estações de Tratamento, o uso deste polímero ajudou a solucionar emergencialmente o problema. Durante a fase mais crítica da contaminação das águas do rio Doce, a empresa Samarco, operadora e responsável pela barragem que se rompeu em Mariana, afirma que forneceu 6,3 milhões de litros de água potável e 199,5 mil litros de água mineral aos moradores de Governador Valadares.

No período seco de 2016, quando o nível do rio Doce apresentou uma grande redução no nível da água, o SAEE – Serviço Autônomo de Águas e Esgotos, de Governador Valadares precisou construir uma pequena barragem emergencial para represar as águas do rio e permitir a captação de água pelas Estações de Tratamento. Com essa solução, foi possível aumentar o volume de captação de 464 para 700 litros por segundo, o volume mínimo necessário para o abastecimento da cidade. Numa medida complementar para resolver mais esta dificuldade, foram construídas cinco linhas de adutoras para captar a água do rio Doce em um trecho com uma profundidade de 2,5 metros no centro da calha do rio, corrigindo assim a dificuldade de captação nos pontos tradicionais, que agora se apresentavam com uma profundidade muito abaixo da média.

Resolvidas estas questões “básicas” e garantindo o abastecimento da população, a cidade de Governador Valadares iniciou um processo de busca por uma fonte alternativa de abastecimento de água. Estudos realizados pelo SAEE antes do acidente com a barragem de Mariana já haviam confirmado a viabilidade técnica do uso das águas do rio Suaçuí Grande como manancial alternativo para o abastecimento. Após estudos conduzidos pela ANA – Agência Nacional de Águas, a escolha do rio foi confirmada pela Prefeitura no segundo semestre de 2016. O rio Suaçuí Grande (vide foto) tem 342 km de extensão, com nascentes no município de Serra Azul de Minas e foz no rio Doce, na região de Governador Valadares. A Fundação Renova, criada pela mineradora Samarco, confirmou a execução da obra como projeto de remediação e compensação ambiental por conta dos prejuízos causados à cidade pelo rompimento da barragem de Mariana. As águas do rio Suaçuí Grande serão transportadas até Governador Valadares através de uma adutora com aproximadamente 22 km de extensão e com uma capacidade de vazão de 900 litros de água por segundo. Com previsão de entrega para 2018 e um custo estimado em R$ 100 milhões, a nova adutora fornecerá até 70% da água necessária ao abastecimento da cidade, reduzindo assim a dependência exclusiva, até o momento, das águas do rio Doce. A Fundação Renova é a responsável pelo gerenciamento financeiro da obra e contratação da empresa de engenharia responsável pela execução do projeto e já divulgou que não repassará para a Prefeitura de Governador Valadares nenhuma parte do valor calculado para a obra .

Diante do quadro de degradação encontrado atualmente na calha do rio Doce e das dificuldades que estão sendo vencidas dia a dia para manter a captação, o tratamento e a distribuição de água para a população, o uso das águas do rio Suaçuí Grande parece ser a melhor alternativa para Governador Valadares. Porém, um prazo de três anos para a conclusão das obras, é longo demais. É sempre importante lembrar que obras civis de grande porte como essa sempre estão sujeitas a atrasos, seja por problemas no projeto ou no trajeto escolhido, seja por acidentes de construção ou dificuldades criadas pelo processo de licenciamento ambiental, e pode ser necessário um prazo bem maior para a sua conclusão. É importante que a população acompanhe tudo isso bem de perto.

A busca por fontes alternativas de abastecimento para as demais cidades afetadas pelo acidente parece ser a melhor alternativa – os trabalhos de recuperação do rio Doce estão sendo conduzidos muito lentamente e ainda existe muita lama nas margens e na calha do rio. Enquanto isso, aqueles que não tem outra alternativa, têm de se desdobrar e continuar utilizando as águas barrentas do rio Doce da melhor maneira possível.

Continuamos no próximo post.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s