OS RESÍDUOS SÓLIDOS E A POLUIÇÃO DO AR: UM EXERCÍCIO

fumaca-caminhao-de-lixo

Na minha postagem anterior falei da Redução da produção de resíduos sólidos através da Reciclagem e Reutilização, visando a redução do volume de resíduos sólidos que acabam chegando aos aterros sanitários todos os dias. Usei como exemplo prático o caso do aterro sanitário da cidade de Caieiras, que recebe diariamente 700 caminhões de rejeitos da cidade de São Paulo – são 6 mil toneladas despejadas todo santo dia.

Para que todos vocês consigam entender a urgência da implantação plena da Política Nacional de Resíduos Sólidos, vamos realizar algumas projeções matemáticas para que você veja e sinta o tamanho do problema.

Quem conhece a gigantesca cidade de São Paulo sabe que percorrer 50 ou 100 quilômetros pelas ruas e avenidas sem sair dos limites urbanos é coisa corriqueira e diária para milhares de pessoas. Vamos imaginar que cada um dos 700 caminhões que transportam resíduos até o aterro em Caieiras tenham de circular 50 quilômetros diariamente pelas ruas de São Paulo, fazendo a coleta porta a porta. Além disso, é preciso informar que a viagem entre São Paulo e Caieiras é de 40 quilômetros (distância entre os centros das cidades) – considerando as viagens de ida e volta, são 80 quilômetros: a distância total diária percorrida por cada um dos caminhões é, neste exercício, de 130 quilômetros ou 91.000 quilômetros para toda a frota.

Para efeito de cálculo do gasto de combustível pela frota de caminhões, vamos considerar um consumo médio de 1 litro de óleo diesel para se percorrer 5 quilômetrosserão necessários 18.200 litros de óleo diesel para mover a frota de caminhões pelos 91.000 quilômetros diários de percurso. A conta do posto de gasolina fica em mais de R$ 60 mil por dia (considerando um custo de R$ 3,30 por litro de diesel).

Para tornar esse nosso exercício mais dramático, preste atenção nestes números: a literatura técnica especializada nos informa que um motor de caminhão movido a óleo diesel emite entre 2,6 kg a 4 kg de CO2 (dióxido de carbono) para cada litro de diesel queimado na combustão, a depender do peso da carga que está sendo transportada. Para efeito deste exercício, vamos considerar o valor médio, que corresponde a 3,3 kg de CO2 para cada litro de óleo diesel queimado na combustão: são 58.240 quilogramas de CO2 lançados diariamente na atmosfera da cidade somente por essa frota de caminhões usada no transporte destes resíduos sólidos. Existem também óxidos de nitrogênio e de enxofre, hidrocarbonetos, material particulado e outros gases nocivos que não estão sendo contabilizados nessa conta.

A poluição do ar é um dos grandes problemas ambientais da região metropolitana de São Paulo e os motores à diesel têm grande responsabilidade nesse problema: são lançadas anualmente cerca de 22,9 mil toneladas de fumaça preta oriundas da frota de ônibus, caminhões e caminhonetes movidos à diesel, além de cerca de 1.029 mil toneladas ano de monóxido de carbono, óxidos de nitrogênio, hidrocarbonetos e óxidos de enxofre. De acordo com dados da Companhia de Tecnologia de Saneamento Ambiental – CETESB, corroboradas pelo médico e professor de patologia da USP, Dr. Paulo Saldiva, uma das maiores autoridades mundiais em doenças provocadas pela poluição do ar, até 20 pessoas morrem por dia na Região Metropolitana de São Paulo por causa da poluição do ar.

Se você tem uma boa memória, vai lembrar que no meu post anterior informei que a produção diária de resíduos sólidos na cidade de São Paulo é de 19 mil toneladas – os números apresentados neste exercício correspondem apenas às 6 mil toneladas que são descarregadas diariamente no aterro sanitário de Caieiras: para chegar aos números diários totais  da poluição do ar gerados pelos resíduos sólidos da cidade, multiplique tudo por 3.

Cada tonelada de resíduos sólidos que nossa sociedade deixa de produzir a cada dia representa uma redução na quantidade de viagens de caminhões em nossas ruas e avenidas, menor poluição atmosférica, menores gastos com a gestão, transporte e processamento, além de economia de espaço nos já saturados aterros sanitários. De quebra, como uma cereja no bolo, pode contribuir na redução do número de mortes causadas pela poluição do ar.

Viu como é urgente a redução do volume de resíduos sólidos?

2 Comments

Deixe uma resposta para AS CORES DAS ÁGUAS NA RÚSSIA: NEGRAS EM MOSCOU, VERMELHAS EM NORILSK E VERDE/AZUL-TURQUESA EM NOVOSIBIRSK | ÁGUA, VIDA & CIA – Fernando José de Sousa Cancelar resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s