UM NOVO ANO NOVO, OU NADA HÁ DE NOVO NO SANEAMENTO BÁSICO

lixo-x-enchente

O “interminável” e tumultuado ano de 2016 chegou ao fim e todos começamos 2017 com as esperanças renovadas.

A chegada do Verão trouxe, para algumas regiões, as preciosas e esperadas chuvas, tão importantes para a renovação dos estoques de águas para o abastecimento das cidades, geração de energia elétrica, irrigação das lavouras e garantia da sobrevivência de todos os seres vivos nos mais variados ecossistemas.

Infelizmente, a chegada do Verão e de suas chuvas traz em sua esteira as imagens das enchentes, desmoronamentos de encostas, danos ao patrimônio, veículos presos em ruas e avenidas tomadas por enxurradas e, não raras vezes, mortes de inocentes.

No Nordeste, ao contrário, se agrava a seca e a falta de água em centenas de cidades na região do semiárido, que persiste desde 2012 e, ao que tudo indica, continuará a se repetir ao longo de 2017. Essa prolongada seca, que já está sendo considerada uma das mais intensas em um século, já afeta 34 milhões de pessoas e escancara a incapacidade de governos de todos os níveis na gestão dos recursos hídricos. A construção do polêmico sistema para a transposição das águas do Rio São Francisco é um exemplo – as obras, se concluídas dentro dos prazos e orçamentos iniciais, poderiam estar auxiliando milhões de brasileiros a enfrentar esse grave período de estiagem; trechos inacabados e, não raras vezes, mal projetados estão envoltos em escândalos e desvios de verbas.

Mas esse novo ano trouxe também cenas diferentes para os telejornais: em meio a um cenário de caos, novos prefeitos assumiram o comando de cidades em situação falimentar: funcionários públicos com salários atrasados, postos de saúde e hospitais com falta dos insumos mais básicos, prédios públicos com corte de água e luz por falta de pagamentos, montanhas de resíduos sólidos nas ruas e calçadas aguardando por um serviço de coleta que nunca chega – as prefeituras devem centenas de milhões de reais para fornecedores e empresas concessionárias de todos os tipos. A combinação de crise econômica, corrupção e incompetência nunca havia sido tão explícita!

Resíduos sólidos amontoados em ruas e calçadas combinados com as fortes chuvas de Verão são um convite para a ocorrência e agravamento das enchentes localizadas – quem acompanha as minhas publicações sabe que trato, irritantemente, deste tema com muita frequência. Nossas cidades cresceram desordenadamente e sem planejamento, criando todos os tipos de dificuldades para a drenagem das águas pluviais. Qualquer descaso com a coleta e destinação dos resíduos sólidos, mesmo que temporário, implica em agravamento dos problemas.

Além dos alagamentos, a proliferação descontrolada dos vetores é também preocupante. Como todos tem acompanhado nos noticiários, diversas regiões de nosso país convivem há anos com as epidemias de Dengue, que sempre se agravam nos períodos das chuvas. O responsável pela transmissão da doença é o conhecido mosquito Aedes aegypti – os criadouros desse mosquito são os recipientes que acumulam as águas das chuvas: garrafas, latas, pneus, embalagens, entulhos e afins. Caixas d’água e recipientes usados sem maiores cuidados para armazenar água nas residências também podem se transformar em criadouros de mosquitos. Além dos “estoques” de criadouros de mosquitos já existentes nas nossas casas e cidades, os recentes problemas na coleta e destinação dos resíduos domésticos, comerciais e industriais, que observamos em inúmeros municípios, criaram as condições ideais para um aumento das populações dos mosquitos e, consequentemente, num incremento do número de casos de Dengue.

Além da Dengue, o mosquito Aedes aegypti é o transmissor da febre Chikungunya e do vírus Zika, causador da síndrome de Guillain-Barré e, já comprovado cientificamente, está associado ao nascimento de milhares de crianças com microcefalia; em menor escala, o Aedes aegypti é o transmissor da febre amarela em áreas urbanas.

A melhor defesa das populações contra todo esse conjunto de doenças é a eliminação dos criadouros dos mosquitos e a prevenção contra o surgimento de novos focos de acúmulo de águas das chuvas, a gestão responsável dos resíduos sólidos urbanos e a educação ambiental – desgraçadamente, para a infelicidade geral de todos nós, estas atividades desandaram nestes últimos tempos.

Trataremos disso nos próximos posts.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s