CONHECENDO AS FOSSAS ECOLÓGICAS

Fossa ecológica

Por maiores que venham a ser os investimentos em saneamento básico, em especial nos serviços de abastecimento de água e de coleta e tratamento de esgotos, nunca será possível atingir a tal “universalização dos serviços”. A razão para isto é muito simples – atender comunidades isoladas e moradores de áreas rurais com esses serviços é economicamente inviável – soluções locais devem ser buscadas, de forma a garantir a saúde e a qualidade de vida das pessoas no quesito abastecimento de água e esgotos. Uma solução interessante são as chamadas fossas ecológicas.

Como falamos em publicações anteriores, as fossas negras permitem que se resolva o problema do afastamento dos esgotos, porém não possibilita qualquer tipo de tratamento nos efluentes, que podem contaminar as águas do lençol freático. As fossas sépticas realizam o pré-tratamento dos esgotos, reduzindo a carga poluidora na média em até dois terços. Numa ETE – Estação de Tratamento de Esgotos, o nível de tratamentos dos efluentes é superior a 90%.

As fossas ecológicas são estruturas que complementam o processo de pré-tratamento realizado pelas fossas sépticas, resultando em efluentes com baixíssimo nível de contaminantes. Vamos analisar três modelos:

Filtro biológico: nesse tipo de estrutura, bactérias aeróbicas, que são microrganismos que necessitam respirar oxigênio diretamente do ar, complementam o trabalho de biodigestão dos esgotos iniciado pelas bactérias anaeróbicas presentes no tanque séptico; essas últimas bactérias obtém o oxigênio a partir dos processos de decomposição da matéria orgânica. Os efluentes que saem da fossa séptica são lançados em um tanque com fundo e paredes impermeáveis. Esse tanque é totalmente preenchido com pedras – na superfície destas pedras existe uma camada gelatinosa denominada biofilme, que na realidade são colônias de bactérias aeróbias. Os efluentes são filtrados pelas pedras e o material orgânico retido será consumido pelas bactérias, complementando assim o processo de tratamento dos esgotos. O efluente resultante pode ter até 90% da carga poluidora reduzida (dependendo do projeto e da construção do filtro, além de uma temperatura ambiente adequada à atividade biológica) e pode ser infiltrado no solo sem risco de contaminação do lençol freático.

Filtro biológico com plantas aquáticas: dependendo das estrutura física do terreno, os efluentes da fossa séptica são lançados em um tanque com fundo e paredes impermeáveis. Esse tanque deve permitir a formação de um espelho d’água com profundidade de, pelo menos, 20 cm. Nesse espelho d’água são cultivadas plantas flutuantes como os aguapés (também chamada de jacinto-de-água, mururé, orelha-de-veado, pavoá, rainha-do-lago, uapé e uapê), ou outras espécies de plantas com sistemas de raízes que filtram a água na busca de matéria orgânica e nutrientes dissolvidos.

Filtro biológico com tanque “seco”: o tanque dessa estrutura é similar ao modelo anterior, com a diferença que não é preenchido por um espelho d’água – o fundo do tanque é forrado com uma camada grossa de pedregulhos, que depois é recoberta com terra. Mudas de bananeiras, por exemplo, são plantadas no local e usarão os resíduos orgânicos como nutrientes para o seu crescimento. O efluente filtrado pelas raízes das plantas (nesse modelo de filtro e no anterior) é praticamente isento de resíduos orgânicos e pode ser direcionado para um corpo d´água ou para um ponto de infiltração no terreno, sem oferecer qualquer risco de contaminação para o meio ambiente.

Observe que em nenhum dos exemplos mostrados (vale ressaltar que existem muitas outras alternativas) não há necessidade de uso de produtos químicos ou de qualquer forma de energia. Também não há necessidade de nenhum material construtivo especial – qualquer material disponível pode ser utilizado na construção das fossas ecológicas, tornando esse processo de tratamento de efluentes acessível à todas as camadas sociais da população, especialmente as mais carentes. O grande desafio é fazer com que essas informações cheguem até essas populações.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s