ESCOLHENDO ÁREAS PARA A IMPLANTAÇÃO DE UM ATERRO SANITÁRIO

Área para Aterro Sanitário

No meu último post falamos rapidamente sobre a construção e operação de um aterro sanitário. Para aprofundarmos um pouco o entendimento deste processo, vamos imaginar quanto custaria a construção de um aterro sanitário nas proximidades da cidade de São Paulo. Vamos usar como referência o aterro sanitário de Caieiras, responsável pelo recebimento de parte dos resíduos sólidos da cidade de São Paulo.

O município de Caieiras fica na Região Metropolitana de São Paulo, distante 40 quilômetros da Praça da Sé, marco zero da cidade de São Paulo. O aterro ocupa uma área de 350 ha (1 hectare = 10.000 m²) e recebe diariamente 6 mil toneladas de resíduos sólidos, transportados por uma frota de 700 caminhões. O aterro começou a ser implantado em 2009 e tem uma vida útil prevista de 20 anos.

Vamos começar nosso exercício pela aquisição do terreno e, é importante informar, que não pode ser qualquer terreno. De acordo com o Manual de Procedimentos para Implantação de Aterro Sanitário em Valas publicado pela CETESB – Companhia de Tecnologia de Saneamento Ambiental de São Paulo, este terreno precisa respeitar alguns critérios:

Topografia: As áreas devem ter características planas, com inclinação máxima em torno de 10%. Evitar terrenos em topos de morros;

Dimensões: Devem ser coerentes com a vida útil pretendida. Como base de cálculo primária, estimar 1 m² por tonelada de resíduo a ser aterrada por dia;

Solo: Deve ter composição predominantemente homogênea e argilosa (a argila compactada aumenta a impermeabilização do solo e reduz a possibilidade de infiltração de chorume). Caso o solo não tenha essa característica, será necessário a aplicação de uma camada de argila, o que aumentará os custos de implantação – eventualmente, esse custo e dificuldades técnicas poderão inviabilizar o projeto nesta área. Evitar terrenos com veios rochosos ou com rochas aflorando;

Proteção contra enchentes: Devem ser evitadas áreas sujeitas a inundações e flutuações excessivas de lençol freático como as várzeas de rios, lagos, pântanos e mangues;

Distância de corpos de água: Deve ser mantida distância mínima de 200 metros de corpos de água como forma a reduzir ao máximo os riscos de contaminação por vazamentos acidentais chorume;

Profundidade do lençol freático: A cota máxima do lençol freático deve estar o mais distante possível da cota de fundo da vala. Para solos argilosos recomenda-se 3 metros e para solos arenosos, distâncias superiores. A avaliação final deverá ser realizada por técnicos especializados;

Distância de residências: Apesar de não existir legislação específica, recomenda-se distâncias mínimas de 500 metros de residências isoladas e 2.000 metros de áreas urbanizadas. Obstáculos naturais como elevações de terrenos e matas podem ser consideradas atenuantes das interferências negativas.

Ventos predominantes: É importante que a direção dos ventos predominantes seja contraria à direção dos núcleos habitacionais como forma de se minimizar o risco de transporte de poeiras e maus odores;

Também é fundamental verificar se a legislação municipal de uso e ocupação do solo e de proteção dos recursos naturais permite a instalação e o funcionamento de aterros sanitários. Outro item fundamental é a localização do terreno – tem de ser de fácil acesso para os caminhões que transportarão os resíduos sólidos desde as áreas urbanas, em todas as estações do ano, inclusive na temporada das chuvas, e muitas vezes durante a noite.

Finalizando, a área escolhida para a implantação do aterro sanitário não pode ficar a uma distância excessiva em relação aos núcleos urbanos geradores dos resíduos sólidos. No caso do citado aterro sanitário de Caieiras são 700 caminhões transportando resíduos a cada dia – você pode imaginar o tamanho da conta do posto de gasolina que as empresas de limpeza e de coleta de resíduos sólidos urbanos pagam; mesmo que você construa um excepcional aterro sanitário, porém que necessite de viagens mais longas para os caminhões, dificilmente essas empresas irão arcar com custos de transporte mais altos e você ficará sem clientes.

Mesmo que você consiga atender a todos esses critérios, existe um último não menos importante: populações tendem a resistir à implantação de penitenciárias e aterros sanitários em suas vizinhanças – é provável que você enfrente muitos protestos das associações de moradores.

Continuamos no próximo post.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s