UTILIZANDO CORRETAMENTE AS ÁGUAS PLUVIAIS

cisterna

Estive em Cuba há muitos anos atrás, numa visita organizada pelo governo local com o objetivo de divulgar os pontos turísticos da ilha e, assim, atrair turistas estrangeiros e dólares para socorrer a combalida economia do país. Povo muito simpático e alegre (lembram muito o pessoal da nossa Bahia), carros da década de 1950 com dezenas de camadas de tinta, hotéis cheirando a mofo, comida mediana – os anos de bloqueio econômico capitaneado pelos norte-americanos deixou a sua marca na história cubana. Acompanhados de perto por agentes do governo local, visitamos e vimos o que era considerado adequado pelos mandatários locais; os bairros mais paupérrimos, é claro, ficaram bem longe da vista do nosso grupo, formado basicamente por jornalistas especializados em turismo.

Uma coisa que me chamou bastante a atenção durante as caminhadas pela cidade de Havana eram as dezenas e mais dezenas de tambores de aço perfilados nos quintais das casas. Depois de alguma insistência, soube através de um motorista de ônibus que aqueles tambores eram usados pelos moradores para armazenar água da chuva (as autoridades negam, mas o abastecimento por lá é complicado); meu “informante”, inclusive, comentou que as famosas equipes dos programas de Saúde da Família cubanos começaram com as visitas de autoridades sanitárias às casas justamente para conscientizar os moradores dos perigos de proliferação de mosquitos nestes reservatórios.

O uso direto da água das chuvas faz parte da realidade de muitas regiões do mundo; no Brasil, especialmente na região do semiárido nordestino, a prática é muito comum e, muitas vezes, é a única fonte para o abastecimento de famílias inteiras no períodos críticos de estiagem. A construção de cisternas de concreto subterrâneas, inclusive na forma de programas governamentais de combate às secas, pode representar a garantia do abastecimento de água por muitos meses para as famílias sertanejas.

Nos centros urbanos que contam com infraestrutura de abastecimento de água, não é muito comum encontrarmos residências com cisternas instaladas – em bairros onde o abastecimento é irregular encontramos reservatórios improvisados que são usados para armazenar águas pluviais, muitas vezes sem maiores cuidados contra a proliferação de mosquitos, especialmente o odioso Aedes Aegypti. Estimular o armazenamento e uso das águas pluviais é uma política importante em tempos de carência cada vez maior de fontes de água para o abastecimento das cidades. Algumas razões práticas para isso:

  • Como já comentamos várias vezes, o crescimento das cidades cada vez mais vai provocar alterações no microclima por causa da formação dos polos ou “ilhas” de calor (a concentração de muitas construções e edifícios próximos um do outro eleva a temperatura local), levando à ocorrência de chuvas fortes nas áreas centrais das cidades e chuvas mais fracas nas regiões periféricas, onde costumam ficar os reservatórios de abastecimento;

  • A impermeabilização do solo dos centros urbanos provocará cada vez mais enchentes localizadas – o uso de cisternas nas residências é uma forma prática de reter parte da água das chuvas, aliviando os sistemas de drenagem de águas pluviais;

  • A escassez da água implicará cada vez mais em maiores custos para a captação e transporte, o que fatalmente implicará em maiores custos nas futuras contas de água;

  • Águas pluviais podem substituir a água potável em diversos usos: limpeza, regas de jardim, lavagem de veículos, descargas sanitárias etc.

Portanto, faz todo o sentido estimular e orientar os moradores das cidades no armazenamento e uso das águas pluviais para os usos não potáveis em suas residencias. No próximo post vou passar instruções técnicas e dicas para a construção de um sistema caseiro e bastante funcional para o armazenamento de águas pluviais usando tambores de aço de 200 litros ou bombonas plásticas (mostrado na foto que ilustra esse post).

Até lá!

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s