O AÇÚCAR E O CONSUMO DE ÁGUA

Acucar

Na postagem anterior falamos rapidamente sobre a cultura da cana-de-açúcar no Brasil, atividade econômica que está profundamente intricada na própria história do país – a produção de açúcar em grande escala foi a primeira atividade econômica organizada em nosso país, especialmente na região Nordeste. Até meados do século XVII, quando a produção colonial brasileira foi superada pelas colônias britânicas, espanholas e francesas nas ilhas do Mar do Caribe, nosso país-colônia era o líder mundial na produção de açúcar. Além da concorrência com nações estrangeiras, a indústria açucareira no Nordeste sofreu um forte golpe com a descoberta de grandes reservas de ouro na região do atual Estado de Minas Gerais a partir da última década do século XVII, quando enormes contingentes de colonos e escravos abandonaram os canaviais e se embrenharam nos sertões em busca do cobiçado ouro. Alguns cálculos históricos afirmam que 2/3 da então população brasileira da época estava envolvida com essa prospecção e o garimpo do ouro.

Apesar disto, o cultivo da cana-de-açúcar nunca foi abandonado no Brasil e a atividade se manteve viva ao longo dos séculos. O Brasil é, há várias décadas, o maior produtor mundial de açúcar e de etanol extraído da cana-de-açúcar. De acordo com dados da UNICA – União da Indústria da Cana-de-Açúcar, a área total ocupada pelo cultivo da cana-de-açúcar no Brasil é da ordem de 10,2 milhões de hectares – no Estado de São Paulo, essa área plantada corresponde a 5,6 milhões de hectares (dados de 2016). Segundo estimativas dessa entidade, a produção nacional de açúcar prevista para a safra 2018 será de aproximadamente 38,6 milhões de toneladas; o Estado de São Paulo, que detém aproximadamente 60% da produção nacional, terá uma produção de aproximadamente 24,6 milhões de toneladas. A produção total de etanol é estimada em 27,9 milhões de m³, sendo que a produção paulista está estimada em 13,2 milhões de m³.

O cultivo da cana-de-açúcar é a terceira maior cultura temporária em área ocupada, só ficando atrás das áreas usadas para o plantio de soja e do milho. As safras de cana se dividem em dois períodos distintos no país – nas regiões Norte e Nordeste, que respondem por aproximadamente 10% da produção nacional de cana-de-açúcar, faz-se a colheita da cultura entre os meses de setembro e março; já na grande região Centro-Sul, a safra da cana se realiza entre os meses de abril e novembro. Essa diferença regional entre os períodos de safra está ligada diretamente às diferenças climáticas, especialmente no que diz respeito aos períodos das chuvas.

Conforme comentamos na postagem anterior, a cana-de-açúcar é uma planta que necessita de grandes quantidades de água para se desenvolver e, especialmente, para produzir o seu “fruto” mais importante – o caldo de cana ou garapa, como é popularmente conhecido. Cerca de 90% da massa da cana-de-açúcar é formada por água e, durante o processo de moagem, cerca de 70% desse volume líquido da planta é recuperado na forma de caldo, que devidamente processado se transforma em açúcar, etanol, aguardente (a famosa “água que passarinho não bebe”), rapadura, entre outros produtos.

Para estimarmos o volume total de água consumido apenas na produção do açúcar (que engloba os gastos de água para o crescimento das plantas e também os gastos nos processos nas industrias), vamos utilizar o número que apresentei na postagem anterior, com a estimativa de litros de água utilizados para se produzir 1 kg de açúcar: entre 1.500 e 1.800 litros, valores que, convertidos em metros cúbicos, correspondem entre 1,5 e 1,8 m³ de água para cada kg de açúcar produzido. Como a produção de açúcar está sendo apresentada em toneladas, precisamos ajustar esses números, que ficarão entre 1.500 e 1.800 m³ de água para cada tonelada de açúcar produzido. Feitos os devidos cálculos, são utilizados entre 57,9 e 69,4 bilhões de m³ de água na produção total de açúcar no Brasil; no Estado de São Paulo, o consumo corresponde a valores entre 36,9 e 44,3 bilhões de m³ de água.

E o que esses números significam?

Um ser humano consome, em média, 55 m³ de água por ano (são aproximadamente 150 litros de água a cada dia). Esse consumo inclui banhos, descargas sanitárias, limpeza da habitação, lavagem de roupas, preparação de alimentos e o próprio consumo de água na forma de bebida. O que é consumido em água para a produção do açúcar no Brasil, caso os meus cálculos e as premissas estejam corretas, seria suficiente para atender o consumo anual de uma população entre 1 e 1,2 bilhão de habitantes – quase uma Índia. Se considerarmos apenas o Estado de São Paulo, essa população ficaria entre 654 e 800 milhões de habitantes. 

Muito mais do que um exercício de matemática, esses números mostram o impacto parcial da produção de um único produto de origem agrícola, o açúcar, no consumo geral da água. E como a agricultura é, de longe, a atividade humana que mais consome água em todo o mundo, é importante racionalizar ao máximo esse uso e evitar perdas de grandes volumes de água ao longo dos processos produtivos.

Cada litro economizado, conta muito no final dos processos.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s